Aumentam as vendas de comidas pelas redes sociais

Compartilhe
Com o aumento de pessoas vendendo comidas pelas redes sociais, seja por oportunidade de negócio ou por necessidade, startup mineira cria um aplicativo para aumentar as vendas deste público.

Um mercado que tem ganhado espaço nas redes sociais, como o Facebook, Instagram e também pelo Whatsapp. é o de venda de marmitas e comidas especializadas. Há também aqueles que possuem a vontade de montar um negócio próprio e entram neste mercado, seja para testar seus produtos e a aceitação do público alvo. Com mais de 13,5 milhões de desempregados no Brasil, segundo o IBGE de Julho de 2017, esta é uma tendência que vem crescendo a cada dia como alternativa a milhões de brasileiros.

Foi pensando neste mercado, que estima-se ser de mais de 1,5 milhões de pessoas somente no Brasil, um número ao qual vem crescendo cada vez mais diante da crise, que os empreendedores mineiros André Gouveia, Camilo Chaves e Ramos de Souza Janones, decidiram criar a startup VovóCooks App.

“Não apenas pela atual situação econômica do Brasil e a crescente vendas de comidas pelas redes sociais, mas também pensando nos pratos regionais, lembranças de comidas caseiras feitas por mães, avós e outras especiarias culinárias que não se encontram em restaurantes de cidades do interior, mas são produzidos por estas pessoas”, dizem os fundadores da startup.

O grande diferencial do VovóCooks App é justamente a facilidade de entrada destes profissionais, diferente à dificuldade de entrada deste público alvo aos aplicativos já conhecidos, seja pelos seus custos ou outras barreiras de entrada.

Além de ajudar estes profissionais com a venda de comidas, o projeto da startup é ir além de apenas um aplicativo de vendas: mas o de criar toda uma plataforma de apoio para a profissionalização destes cozinheiros, através de hangouts e conteúdos que incentivam a saída da informalidade, a melhora na qualidade dos produtos e de suas apresentações.

Segundo dados da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (ABRASEL), o ritmo de crescimento / faturamento no número de pedidos via aplicativos de delivery é de R$1 bilhão a cada ano, um crescimento superior a 12%. Em 2015, as cifras superaram R$9 bilhões e a expectativa é fechar 2017 acima dos R$10 bilhões. Paulo Solmucci Júnior, presidente executivo da ABRASEL, credita tais resultados positivos a um comportamento mais consciente. “As pessoas estão fazendo as contas, prestando mais atenção aos gastos”, defende o executivo. Agora com a entrada do VovóCooks App esses números poderão ser muito maiores.

Ganha o cliente

Com funcionalidades que o público adora, como a possibilidade de procurar por profissionais próximos, por tipos de pratos, avaliações de quem já pediu, tempo de entrega ou agendamento. Há alguns anos esse tipo de pesquisa poderia levar dias e o resultado não necessariamente seria positivo. Agora, basta alguns cliques no smartphone e o aplicativo já relaciona os especialistas culinários adequados aos interesses do consumidor.

“Outra vantagem, em nosso aplicativo, para o usuário final, é que ele só paga no ato da entrega. Observamos que em outros aplicativos de Delivery haviam muitas reclamações de clientes que pagavam e não recebiam seus pedidos, pensando nisso decidimos não colocar opções de pagamento ao cliente, o que faz não sermos intermediários, reduzindo os custos e riscos tanto para quem vende, quanto para quem compra”, faz esta observação um dos sócios da startup.

Em fase de lançamento

Como o aplicativo está em fase de lançamento não há custos, por enquanto, para quem vende. Diferente de outros aplicativos de delivery de comida, os vendedores pagarão por resultado do anúncio: 1 cook-coin, que é a moeda virtual do aplicativo, o qual corresponderá à 1 real por pedido e nenhum custo a mais para o vendedor e, consequentemente, reduzindo os preços para os consumidores.

Dados para contato:

Deixe uma resposta